A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Sem Nome

Sobrevivi ao naufrágio
de uma saudade avassaladora
de sonhos imperfeitos.
Vagas sem rumo de mim,
ondas revoltas
sobre o meu barco sem mar,
e uma bússola de incertezas
orientando o norte do meu peito.
Sobrevivi, resgatada
por uma das ilhas desertas
da minha solidão sem nome.


(Elizabeth F. de Oliveira)


voltar última atualização: 16/05/2017
2244 visitas desde 16/05/2017

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente