A Garganta da Serpente
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Estação

Foi o outono, eu sei,
que esculpiu em meu rosto
as delicadezas do cansaço.
Foi ele que sulcou a minha pele
para arar de lucidez
a minha última estação.
O verão, tão próspero de vida,
não retornará à minha existência.
Mas poderei me aquecer
com a lenha de sentimentos,
que ainda arde em meu peito.
É com ela que construo fogueiras
e aqueço as lembranças
das estações passadas.


(Elizabeth F. de Oliveira)


voltar última atualização: 16/05/2017
2228 visitas desde 16/05/2017

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente