A Garganta da Serpente

Charles Baudelaire

Charles-Pierre Baudelaire
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Elevação

Acima dos lagos, acima dos vales,
As montanhas e os bosques, as nuvens, os mares,
Além do sol, além do éter, desta matéria
Além dos confins das esferas estreladas.

Minha alma, qual se move com facilidade,
E quão um nadador forte em êxtase na onda
Sulca sua via alegremente por meio
Lugar imenso júbilo viril indizível

Vá longe, longe deste miasma funesto
Purifique-se no ar celestial, beba o fogo
Etéreo dessas regiões límpidas quão
Faria o mais puro dos néctares celestiais.

Além das grandes dores e todas aflições
Que pesam sobre nossas vidas e eclipsa
Visão, Feliz é aquele pode com sua asa
Vigor subir mando campo luz e sereno.

Aquele cujos pensamentos, quão cotovias,
Ao céu manhã tomar voo - Quem paira sobre
Vida e entende com fácil linguagem das flores
Se estendem pelas coisas de tão silenciosas!

Spleen et idéal - Charles Baudelaire
(Traduzido por Eric Ponty especialmente para a Garganta da Serpente. Não reproduzir noutro lugar)

(Charles Baudelaire)


voltar última atualização: 19/04/2017
21046 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente