A Garganta da Serpente

Charles Baudelaire

Charles-Pierre Baudelaire
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Albatroz

Às vezes ao esporte os homens de equipes de loa
Fiando laços grandes albatrozes do fundo,
Os companheiros indolentes de seu cruzeiro
Quão através vastidão amarga eles varrem.

Eram parcos que se derramaram a bordo
Destes reis arejados quando impotentes
Inclinam lastimosas suas asas brancas
Enormes seguem ao seu lado quão dos remos.

Quão cômico, quão feio, e quão manso nasce
Estes sobrevoam neves celestiais! Um,
Com seu cachimbo, brinca com o bico dourado,
Um, manca, zomba do aleijado enquanto segue.

Poeta, quão este monarca das nuvens, despreza
Arqueiros, montam o toró. Mas, encalha
Na terra a zombar multidões, as grandes asas
Do gigante impedem sua marcha do azul

Spleen et idéal - Charles Baudelaire
(Traduzido por Eric Ponty especialmente para a Garganta da Serpente. Não reproduzir noutro lugar)

(Charles Baudelaire)


voltar última atualização: 19/04/2017
21045 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente