A Garganta da Serpente

Charles Baudelaire

Charles-Pierre Baudelaire
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Bênção - Spleen et idéal

Quando em meio decreto das posses Supremas
Um poeta nascido neste mundo igual sítio,
Sua mãe abre a partir de horror, a blasfemar
Seus contrapunhos em Deus, conceder sua graça.

"Eu gerar Ninho serpes há um aleijão.
Em vez nutrir sem graça esta plena desgraça
Maldita à noite de prazeres assinala
Ostentava meu ventre armar expiação.

Em vez todas mulheres que eu sou seleta
Para ti a ser meu consorte de aversão
Entregar este monstro asqueroso à chama,
Mudar meu ódio que carreguei sobre mim.

Ela engole a espuma branca da sua ira
Sabendo gorou de regimes são sublimes,
Profunda na Geena, pega a fixar a pira
Dá consagrada à criminalidade materna.

Mas com um Anjo invisível ignorados
Vira latas protegidos cresce embriagado
Sol e encontra ambrosia e Néctar de cor-de-rosa
Todo os que come ou bebe, suspeitar nenhum.

Canta ele sobre a sua Via Crucis, cumprir ventos
E trocas com as nuvens palavras: o Espírito
Logo sua peregrina forma chora a eis que ele
Aos criadores que as aves. Aqueles que ele adora

Evita ele como no medo ou, crescente
A ver um modo negro demitir, tocar
Desenhar a partir dele um grito ou rasgar,
E testar sobre ele o ardor da sua espécie.

Na comida ou bebida que está destinado
Amar misturar baba descora cinzas negras,
Gota aquilo em é tocada hipócrita aversão
Se responsabilizar por andando sua via.

Sua esposa vai chorar na via pública -
"Não sou bela desejo ele acha-me a adora,
Parte dos antigos ídolos vou fazer ritos
Suas Castas de minério de ferro fundido.

Vou ébria ficar no incenso, mirra e nardo, joelhos,
Carnes e estranho vinho, ausente seu doido
A conhecer amante de lavor intenso
Sei conta, vou rir roubar direitos divino.

Quando tais ímpias descambem cansado.
Vou pôr a minha frágil mão forte sobre ele
Início qual, com pregos quão destas harpias
Em sua força a me arado uma porta a o seu imo.

Quão uma jovem ave tremer ele suar
Mas, vou arrancar seu imo, todos rubros, tórax
Minha favorita besta, sua fome lavores,
Provoca-lo na calha com uma esfinge."

Cansado, onde ele vê um trono chama esplêndida,
Beato poeta iça braços no alto e vasto raios
Sua alma prorrogada apaga as multidões
Tumultos do seu olhar das passagens obscenas.

"Bendito sejas, ó Deus, que nos dão a dor,
Quão cura a nossa impureza e errada
- Essência vigor o vigoroso a sustentar
Seráfico êxtase foram supinos fortes.

Sei que ao poeta guarda um lugar, onde o ousa
Legiões tomar as suas fileiras e estações,
Avocado a fulgor com a hóstia de virtudes,
Poderes e tronos, e das dominações.

Eu bem sei que dor é a única nobreza,
Sei que, onde nem a terra nem o inferno
Possa fazer assaltos minha coroa mística
Poeta, todos Tempos e orbe paga impostos.

Mas todas joias velhas Palmira perdidas,
Minérios não misturam, pérolas do abismo,
Definir pelo seu lado, não poderia
Bastar custo dum tal arder diadema quão.

Porque é feito apenas da luz, desenhados
Partir do lar raios essenciais do que os nossos
Olhares mortais, quando se queimam são pulcros,
Mas a mancha de espelhos que deles lustram"

Spleen et idéal - Charles Baudelaire
(Traduzido por Eric Ponty especialmente para a Garganta da Serpente. Não reproduzir noutro lugar)

(Charles Baudelaire)


voltar última atualização: 19/04/2017
21044 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente