A Garganta da Serpente

Charles Baudelaire

Charles-Pierre Baudelaire
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Ao Leitor

A Loucura do erro, da avareza e do vício,
Empregar almas e dissipar a força nossos corpos.
Como mendigos imundos incubar os piolhos,
Alimentamos de nosso remorso inócuo.

Culpas teimosas, covarde nossa contrição.
A nossos votos fracos pedir-nos preço ardentes.
Confiando em nossas lágrimas vão lavar frase,
Nós ébrios onde a estrada enlodada seduz.

Encastrado no mal, e Mestre Três Vezes,
Diabo, vibrar nossas almas, não pode opor-se;
E o rico metal de nossa própria vontade
É vaporizado sábio que é alquimista.

O Diabo puxa as cordas quais estamos trabalhando:
Todo objeto revolta atraídos, nós fugimos
Protetor inferno; A cada dia um passo mais nós empurra
Não sentir nenhum horror, meio máscaras fedem.

Assim quão esmolo lascivo mordido e beijos
Peito cicatrizado e franzido duma velha puta,
Nós roubamos, longo da estrada, glória furtiva,
Espremê-los, quão laranjas velhas, a mais.

Embala unido, quão colmeias larvas, espessas
Dentro de nossos cérebros, série bestas surgem.
No fundo nossos pulmões fazer cada hálito,
A morte flui, um rio invisível, rir gemer.

Se estupro ou incêndio, veneno, ou a faca
Não teceu os padrões amenos tão carnal
Dessa tela igual aceitamos como da vida -
É porque nós não somos corajosos bastante!

Entre os chacais, leopardos, pardos, macacos,
Serpentes, escorpiões, abutres, infernais,
Berro, fragor, torcer, saltar, e rastejar,
Na bagunça do pecado de cada homem.

Há mais um maldito do que todos. Nunca salta,
Nem rasteja, nem ruge, mas, resto cala,
Alegre de toda esta terra faria um açougue
E engula a existência com um bocejo.

Tédio! Ele fuma guita d´água, enquanto ele sonha
Da forca, choros chora não pode conter.

Spleen et idéal - Charles Baudelaire
(Traduzido por Eric Ponty especialmente para a Garganta da Serpente. Não reproduzir noutro lugar)

(Charles Baudelaire)


voltar última atualização: 19/04/2017
21161 visitas desde 01/07/2005
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente