A Garganta da Serpente

Adelaide Amorim

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

romântica

uma certeza simples se levanta
ser imperfeito e rouco
do meio das ruínas

sou meu resto

se acreditasse
sonhando com neve imaculada e
um esgarçado véu por sobre
um bosque de vegetais rasteiros
noite de lua e
o impossível talvez
começo
ou recomeço
de um amor

resto porque

de noite
pardas desilusões semeiam
gatos cegos
como se ainda pudesse

essa pureza e
essa razão estranha
apenas rebaixaram minha voz

ainda vive o resto


(Adelaide Amorim)


voltar última atualização: 26/08/2007
14650 visitas desde 01/07/2005

Poemas desta autora:

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente