A Garganta da Serpente
Saliva de Cobra editorial a contragosto

E as escamas rastejam, trazendo o enigmático chocalho que balança agitado. É inevitável que a língua bipartida se pronuncie lentamente, para retomar seus meandros das fronteiras do caos.

Os ofídios precisam apurar seu veneno, lustrar suas escamas, manter as presas sob seus domínios e procurar novas vítimas, ampliando seu território sagrado. Todavia, a realidade se instaura, inexorável, e precisa ser desalterada, inevitavelmente mordida, para que se possa prosseguir.

Antes de destilar os fatos, gostaria apenas de informar que realmente adoraria conseguir "agradar a gregos e troianos", mas a unanimidade é impossível, principalmente num ninho de cobras. A serpente já está preparada para as críticas, retaliações e incompreensões inerentes a um espaço que nasceu sem mordaça e sem preço...

Evitando ser escorregadia, e atendendo aos apelos dos que buscam informações e soluções, vamos aos fatos:

» Estamos perigosamente chegando perto de exceder o limite de espaço contratado em nossa hospedagem (100MB) e precisamos de espaço para crescer e não impedir a participação de novos habitantes (nem a exclusão dos atuais). Já foram tomadas medidas paliativas, como a retirada dos arquivos antigos do Muro Impuro (mensagens dos anos anteriores). Além disso, continuamos com excesso de transferência mensal (acima de 5GB), que tem ocasionado multas freqüentes - mas também significa que os acessos ao site estão crescendo.

» Serpentes são ápodes, e este único par de mãos que sustenta o ofídio inquieto precisa tornar o site dinâmico para que possa sobreviver. Isto implica grandes mudanças estruturais, com a necessidade da criação de um banco de dados robusto e de programação maciça. Isto só será possível com mais espaço e com a contratação de profissionais especializados para executar tais modificações. Há inúmeras seções novas que há muito gostaríamos de ter implementado, mas que são absolutamente inviáveis de se fazer da forma manual como o site tem sido atualizado.

» Sustentar o site não tem sido fácil há bastante tempo e é inevitável que se espere contar com a colaboração e compreensão de todos - apesar de muitos considerarem isto uma obrigação única e exclusiva da Serpente-Mãe. Além das dificuldades de sempre, também tivermos perdas em nossa infraestrutura: depois dos recorrentes problemas, nosso computador foi picado por uma urutu e faleceu no final de outubro (perdemos a fonte, memórias, placa-mãe e processador). O site só não será extinto, pois milagrosamente nosso HD (com os dados e trabalhos de todos os nossos habitantes) sobreviveu. Ainda não se sabe quando será possível adquirir um novo instrumento de trabalho. Dessa maneira, as atualizações estão sendo realizadas de forma precária e a correspondência vai continuar bastante atrasada.

Infelizmente, sob as escamas do mundo virtual, há seres reais, que precisam sobreviver, caçar, sustentar a si mesmos e a sua prole. Ao contrário do que muitos imaginam, a Garganta da Serpente não é um "hobby". Não nasceu para massagear egos próprios ou alheios. Não é auto-sustentável. Precisa de dinheiro mas também não se sujeita à prostituição (tenham certeza de que jamais vamos aceitar propostas de patrocínio ou publicidade de sites pornográficos, cassinos ou similares - que insistem em nos procurar).

A Garganta da Serpente é uma teimosia. Ela existe porque ousamos insistir na quimera da literatura. Porque sabemos que é a linguagem é que distingue o homem do animal. E quando o homem não tem oportunidade de desenvolver e enriquecer a linguagem, torna-se incapaz não só de compreender o mundo que o cerca, mas também de agir sobre ele. Porque quando a palavra se encontra enfraquecida na sua possibilidade de expressão, é o próprio homem que se desumaniza. Por causa disso, para se manter aberta, a garganta tem parasitado a serpente. Tornou-se uma entidade própria, coletiva, surpreendente, incontrolável, voraz e tão perigosa quanto democrática.

Como a Garganta da Serpente é feita por todos nós, fazem-se necessários tais esclarecimentos, principalmente porque sempre optamos pela transparência e pela franqueza com nossos autores e visitantes.

Ouço contorções ruidosas, mas também percebo que muitos estão coçando as escamas preocupados. E o que fazer para não ser extinto ou contaminado pelo próprio veneno?

As mudanças são necessárias e inevitáveis. Para que nos preparemos para mais uma troca de pele, talvez a mais significativa de nossa jornada, precisamos das sugestões, críticas e colaborações de nossos habitantes e visitantes. Os novos rumos do site devem ser decididos com a participação de todos. Portanto, entrem em contato conosco, enviem seus comentários e não deixem de participar de nossa pesquisa de opinião, para que possamos tornar a Garganta da Serpente cada vez melhor:
http://www.gargantadaserpente.com/pesquisa.shtml

Outra maneira importantíssima e imprescindível de cooperar é votar na Garganta da Serpente no iBest2005 e ajudar-nos a conseguir votos, divulgando o site entre seus amigos e contatos: as Categorias Pessoais do iBest dão prêmios em dinheiro (o qual estamos precisando muito para conseguir manter o site no ar):
http://www.gargantadaserpente.com/ibest/

E como as escamas não são feitas de moedas, mas precisam delas para existir, contamos com a solidariedade de todos. As premências principais são: a) restabelecer nosso computador para que possamos voltar a trabalhar de forma apropriada; e b) fazer um fluxo de caixa para que possamos mudar para um plano de hospedagem superior (com mais espaço em disco, mas que custa o dobro do atual). Quem quiser e puder fazer uma doação - não importa o valor - favor entrar em contato: serpente@gargantadaserpente.com.

Obrigada pela atenção e pela compreensão.

Com gratidão de cobra,
Agostina Akemi Sasaoka.

(10.11.2004)

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente