A Garganta da Serpente
Resenhas dos Répteis releases, resenhas e críticas
Texto de:
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Satã, Uma biografia
- Um livro de Henry Ansgar Kelly -

Sempre temos em nossa mente que o mal é representado pela figura de Lúcifer, o príncipe das trevas. Não para o pesquisador norte-americano Henry Ansgar Kelly, que com sua obra Satã, uma biografia (Satan, a biography, tradução de Renato Rezende, Globo Livros, 388 páginas), examina a imagem tradicional que Satã possui.

Professor da Universidade da Califórnia, um senhor de 74 anos, Kelly é um ex-seminarista de uma escola jesuíta, que mapeia nos documentos-fonte as verdadeiras origens da personagem em questão, trazendo com isto, não apenas conhecimento histórico, mas também surpresas teológicas. Logo, as verdadeiras características, foram minuciosamente examinadas para demonstrar que a Bíblia não se apóia na imagem tradicional que se tem do diabo. E sim, usa a imagem que Satã era um empregado de Deus, uma espécie de primeiro-ministro.

A analise do texto bíblico que Kelly faz se perde às vezes em filigranas gramaticais, o que faz a leitura ser bem leiga, mas por vezes, ter um certo conhecimento sobre o assunto. Entretanto, no final das contas, Satanás é quase como um "extra" bíblico. Seu papel mais protagônico no Antigo Testamento está no livro de Jô, quando instiga a Deus a provar a devoção de Jô infligindo-lhe uma série de castigos ao pobre homem. No Novo há uma melhoria, e ele parece dominar o mundo, mas Kelly argumenta que, esse poder é delegado por Deus. o Diabo está encarregado de seu próprio reino e está trabalhando contra Deus. Na verdade, ele está tentando provar a Deus que muitas pessoas são pecadoras e não merecem ir para o Céu.

A narração cristã da perdição e da redenção do homem quase poderia precedido o maligno. Contudo a Igreja necessitava de um opositor maior, uma figura na qual possa se concentrar todo o terror do pecado. Assim atribuíram ao Diabo qualidades que não lhe pertenciam.

Satã é, obviamente, um personagem-problema. Porém, não do modo que se imagina. Em primeiro lugar, não é universal, pois fruto da tradição judaico-cristã. Portanto, a maioria da humanidade simplesmente o ignora. Em segundo lugar, ele não é, na verdade, fruto da tradição judaico-cristã: pois o Satã judaico nada tem a ver com o Satã cristão. Para piorar, o Satã cristão pouco ou nada tem a ver com a Bíblia. Os cristãos, porém, acreditam ser sua religião derivada da Bíblia, e que a figura de Satã é a personificação do Mal, o Príncipe das Trevas e Senhor do Inferno, parte importante de sua religião e, naturalmente, parte da Bíblia. Mas não é. Isto significa, entre outras coisas, que o cristianismo não deriva direta nem exclusivamente da Bíblia, e que Satã não faz parte, necessariamente, do cristianismo. O mais surpreendente, porém, é a maioria dos cristãos ignora tudo isso.

Num argumento em prosa em que o autor parece conversar literalmente com o leitor, temos um estudo da figura mítica do Inimigo da humanidade, e um desvencilhamento de diversas abordagens. Kelly exibe impressionante controle do material, em hebraico, grego e latim, como se estivesse trocando idéia em uma conversa informal.

No final das contas, parece que o diabo é literalmente atrativo, sempre temos obras que o demonstram como protagonista, como as diversas ficções que temos publicadas ou trabalhos acadêmicos, como aquele de Harold Bloom em Faller Angels, livro que clama que todos se solidarizem com ele, pois somos todos, criaturas mortais e imperfeitas, ou melhor, anjos caídos. Contudo, todas tentam colocar um pouco de humanidade ou fascínio para a figura estudada, mas temos o exercício de uma figura inquestionável, pela tradição e pela construção histórica, revelando uma nova forma de se ver a crença cristã. óbvio para um descrente, mas é apocalíptico para um religioso.

Um livro cuja leitura dará uma visão aberta aos desígnios cristãos ou mais uma forma de critica ou ainda uma forma de torna-lo ridículo perante os problemas atuais do planeta.


Satã, Uma biografia
Autor: Henry Ansgar Kelly
Tradução: Renato Rezende
Globo Livros
388 páginas
2008

1065 visitas desde 19/04/2017


Quer outra dica de livro?