A Garganta da Serpente
Resenhas dos Répteis releases, resenhas e críticas
Texto de:
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Conspiração contra o vaticano

Durante a Segunda Guerra Mundial, muitas informações forma escondidas, não eram comentadas visivelmente. Entre elas, o plano secreto do Führer em seqüestrar o papa Pio XII. O livro Conspiração contra o Vaticano (Jorge Zahar, Special Mission: Hitler's Secret Plot to Seize the Vatican and Kidnap Pope Pius the XII, tradução de Vivian Mannheimer, 280 páginas), escrito pelo jornalista norte-americano Dan Kurzman, é uma brilhante investigação sobre o caso.

SINOPSE DA EDITORA: Setembro de 1943: a Segunda Guerra Mundial devasta a Europa. Adolf Hitler, furioso com a deposição do aliado e amigo Benito Mussolini, na Itália, envia tropas a Roma e confia uma missão secreta ao general da SS Karl Wolff: ocupar o Vaticano e seqüestrar o papa Pio XII. Wolff e outros conspiradores, porém, decidem boicotar o plano do Führer e, para evitar problemas com Berlim, convencem Pio XII a não se pronunciar em relação à deportação dos judeus de Roma. O papa escapou do seqüestro e da morte, mas seu silêncio se tornou uma das questões mais polêmicas sobre o papel da Igreja naquele momento sombrio.

Kurzman detalha os eventos ocorridos neste período, amparado por um estilo narrativo único e uma pesquisa ampla, incluindo uma entrevista com o general Wolff, o autor consegue transportar o leitor toda aquela história em três personagens (Hitler, o papa e o general), abordando em cada um o seu ponto de vista na forma de procurar e manter o poder.

Wolff, deste o início, ficou enredado às ordens de seu líder. Católico e nazista, entrou em conflito com suas ideologias, conseguindo se equilibrar entre a sua fidelidade ao partido nazista e ao respeito pela Igreja Católica e ao Pontífice. Tentou assim, fazer um policiamento contido, pedindo ao papa para ficar em silêncio em frente as decisões nazistas, pois poderia convencer Hitler a retirar suas ordens. Quando o papa se informou do genocídio judeu, ele teve que se calar, para algo de pior não acontecesse, e o seu silêncio foi uma ação interpretada até os dias de hoje como uma decisão covarde. Esses pormenores pesquisados pelo jornalista do Washington Post, talvez não sejam do conhecimento geral, mas a partir dessa perspectiva, temos um registro interessante sobre o papelo do papa Pio XII durante a Segunda Grande Guerra.

Questionamentos morais levantadas em relação a inércia do papa são também abordadas. Será que Pio XII não queria cair na mesma armadilha que demais nações européias, preferindo apaziguar Hitler do que entrar em confronto? Kurzman argumenta, pelos dois pontos de vista, cada lado tinha sua razão. E no caso do papa, foi uma decisão calculada para evitar a retaliação contra a Igreja e seus membros. Seria possível também um genocídio cristão? Para o papa, o que ele queria proteger, a Igreja e seus tesouros ou a vida de seus membros? O ponto principal é onde o autor tenta explicar o pensamento de dois homens díspares na história, embora seja impossível conhecer o coração de um homem. Uma curiosidade: o livro foi base para uma peça da Broadway, que estreará neste ano.

As respostas, encontraremos neste livro, escrito em um estilo cuidadoso e rígido, Conspiração contra o Vaticano lança uma luz em eventos obscuros que ocorreram durante a II Guerra Mundial.


Conspiração contra o Vaticano
Autor: Dan Kurzman
Tradução: Vivian Mannheimer
Jorge Zahar
280 páginas
2008

561 visitas desde 24/04/2017


Quer outra dica de livro?