A Garganta da Serpente
Resenhas dos Répteis releases, resenhas e críticas
Texto de:
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A Poesia Romântica de Everardo Antonio Torres Glez do México


A Poesia de amor e sensibilidade de E. Antonio Torres Glez, de Duranguito, México, traduz um estado de espírito entre solitário e nostálgico, entre melancólico e romântico, entre saudade e esperança. Nessa divisa lírica ele viaja o elenco de palavras, construindo a galáxia de poemas de sua alma doce. O deleite de criar rumos com remos íntimos.

Com sua guitarra noturna, outonal, ele vai embalando a sua própria solidão-albatroz, conduzindo o seu enfoque latino sobre a dor, o insaciável, as lembranças do alforje da memória revisitada, pincelando assim sua aquarela de diversos tons e matizes. Janelas da alma.

Canta o amor - e a ausência dele. Solos de solidão, cristalizando a carência que, à meia noite não é lótus zen, mas expectativa de amar e ser amado, de entrega, de sedução, de devaneios, de barcos encalhados no peito-solidão.

A mulher amada. A mulher impossível. A travessia entre uma entrega e a perda. A tessitura de uma mulher ideal, fêmea-fatal - Soledad, Guadalupe? - na sua angústia de revisar a seqüela do íntimo transido, mas perseverando a lucidez além do vento que engloba o reino das palavras e tantos lastros delas.

O fazer poético de E. Antonio Torres Glez tem o tear do imaginário, o cálice das doces memórias de reserva pessoal, o facilitador do sonho e da busca, erguendo um livro suntuoso e enriquecedor. Com um certo diapasão par ser arauto do amor, e suas miragens, ou milagres.

Versando sobre pássaros e trigais, também almeja os seios da mulher desejada, e assim abre a fronha da madrugada com seu manto auroral, para o seu olhar entre a chuva e a for - mas ainda rio seco esperando o ensinamento-madrigal das águas, talvez prevendo a canção de um outubro qualquer, feito um rouxinol solitário. O poeta e seu crisântemo interior produzindo epifanias.

Os poemas-lágrimas, as estrelas que dormitam em seu colo semeado de versos, os sonhos de um abril vindouro, os tangos e os versos em pranto com um dolente ritmo latino, entre desesperos e imagens ricas de pertencimentos auditados, desesperanças vividas e galanteios em preparo de conquista. Os momentos de enlevos do amor vivido, a poesia corpo-terra, as xícaras de tempestades, o café poético de um arlequinal romântico procurando num cata-vento, a seda-cipoal de palavras que o digam vivo e sequioso para pleno conjugar o verbo amar...

Telúrico, volátil, nuvens e arenas, poentes e borboletas, pães e girassóis, salinas íntimas, a poesia tez chão de Everardo Torres, mistura-se ao sentimentalismo do homem pós-moderno, sedentário, e sua retórica como navalha na carne, louvando o verbo amar com maestria, mas caído na malha dele, casulo dele, noturno dele, como a navegar em alcovas celestes.

As noites em Durango, México, e o Chile da solidão-andaluz, quase cigana. As noites são oficineiras de arames próprios?. As palavras são tijolos vermelhos, instrumentais, o cata-vento da imaginação ferida gerando belas imagens, metáforas, num ninhal de águas entre brotos de olhares, quilhas de anseios, violinos de entrelaçamentos e solos de saudades.

Essa é a poesia de Everardo Torres (como carinhosamente o chamo, hermano virtual-espiritual). Poesia rica e lírica. Alma respirando luz. Palavras diretas do dique náutico ao seu pertencer-se, valendo-se da poesia-chã para entalhar o bisturi na alma-nau.

O poema fértil, nas engrenagens dessa vida às vezes tão áspera, em terras áridas para sensibilidades. Mas Everardo Torres canta o amor, a seiva das ramagens dele.

E dele nos faz ouvidores, cientes de como traduz um sentimento pedrês em sinal de trânsito imagético.

Poesia viçada em carne viva e alguns ossos do ofício. Mas, sempre ele mesmo: sentimental, romântico, colocando açúcar nos seus poemas-lágrimas, dando testemunho lúcido e altamente criativo de resistência.

E assim vale a pena viver, criar, amar e ser amado. Ainda mais sendo médico, sabendo à carne e valendo-se do bisturi da alma humana para construir poemas como documentos de construções espirituais.


Catavento
Autor: Everardo Antonio Torres Glez
Editora: El Taller Del Poeta

537 visitas desde 21/04/2017


Quer outra dica de livro?