A Garganta da Serpente
Resenhas dos Répteis releases, resenhas e críticas
Texto de:
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Manuscritos de Felipa - Adélia Prado

Com o sucesso na carreira literária, Adélia Prado abandona o magistério após vinte e quatro anos de trabalho para se dedicar à alquimia do cotidiano com a sensibilidade de suas riquezas interiores, pelo ponto cego.

Formou-se em Filosofia. Recebeu o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro com o lançamento : O Coração disparado. Suas obras foram levadas ao teatro com grande sucesso, outras foram traduzidas para a Língua Inglesa e Espanhola. Publicou dezenas de livros, tanto poesias como prosa: Oráculos de maio, A faca no peito, Solte os cachorros, Cacos para um vitral e outros.

Com um discurso indireto livre o narrador-personagem utiliza um tempo anacrônico, temas dicotômicos e um ambiente psicológico que dá ênfase às observações e às circunstâncias dessa "vidinha besta". As personagens secundárias aparecem e somem em prolepse que deixam o leitor em grandes expectativas.

A dicotomia do sagrado e do profano está presente nos quarenta capítulos interligados a uma sexualidade reprimida com o excesso de religiosidade, gerando uma poética Adeliana de prazer e pecado; de culpa e medo da morte.

Na visão Freudiana é como se o superego, incessantemente, lutasse com o id da personagem Felipa que se condenava e se absolvia num jogo de energias da sexualidade, aparentemente, desconexa, mas que com sua fé católica aliada ao ego-lírico, retratam o dia-a-dia com a beleza e a disciplina com que tudo e todos fomos criados por Deus.É uma leitura velada que dá acesso a uma viagem simples, anacrônica, despretensiosa e ao mesmo tempo, um "grudar" em uma rede psicológica com inúmeros sonhos Freudianos e uma realidade eternamente questionável.

Sem qualquer tempo-espaço, sem qualquer obstáculo, sem qualquer direção, apenas o delivrar de pensamentos, sonhos e recordações de Felipa: uma mulher de meia idade, fóbica, religiosa, pecadora, crítica, usuária de ansiolíticos; capaz de conciliar ao mesmo tempo enceradeira com microondas, deitada em um divã, como se estivesse em uma sessão interminável Freudiana de Associação Livre.


Manuscritos de Felipa
Autor: Adélia Prado
144 páginas
Ano: 1999

779 visitas desde 19/04/2017


Quer outra dica de livro?