A Garganta da Serpente
Resenhas dos Répteis releases, resenhas e críticas
Texto de:
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Eugénia Grandet - Balzac

Uma narrativa simples, mas que retrata, fielmente, a escalada individualista de um plebeu que nada mais consegue ver e valorizar, além do brilho enriquecedor do ouro, das moedas que tilintam em seu ouvido, diariamente, até a sua morte. Assim é o pai de Eugénia, senhor Grandet, um ambicioso e inescrupuloso homem que coloca a ascensão social e financeira acima de sua própria família, a filha única Eugénie, sua esposa e Nanom uma criada que participa dos meticulosos gestos mesquinhos de seu senhor.

Senhor Grandet, um avaro homem que recebe uma trágica carta de suicídio de seu irmão que estava em concordata e que não podendo mais criar o filho Carlos, envia-o para que possa cuidar-lhe e isto, é um pesadelo para alguém que pouco se importou com o desespero do irmão mas que se preparou rapidamente para despachar o sobrinho para as Índias.

Porém, Balzac consegue criar um clima totalmente inovador na vida das três mulheres levando até elas um parisiense carregado de novidades, um primo que nem suspeita que naquele momento seu pai já teria cometido suicídio. Carlos traz tanta novidade e vaidade e roupas e acessórios decorados em ouro jamais visto pelas damas. Foi uma parte da narrativa que mostra a realidade oposta, totalmente morta diante das luzes de Paris.

Toda narrativa mostra que a maior preocupação de Balzac é retratar, fotografar as mais fortes diferenças e comportamentos sociais, além de priorizar o individualismo fanático, opressor, obcecado do senhor Grandet pela sede de aumentar mais e mais suas riquezas, a ponto de racionar de tudo até mesmo na alimentação que sempre contava tudo que havia.

A trama, com a chegada de Carlos, quebra toda monotonia e desperta em Eugénia sentimentos jamais acesos em seu coração, o que a faz querer agradar o primo, sucedendo-se que esta passa a querer gastar, a fazer pratos diferentes, a colocar uma vela no quarto do primo, enfim, mudanças que senhor Grandet percebe e faz de tudo para enviar Carlos para as Índias.

Carlos ao saber da falência e suicídio do pai, chora dias, causando nas senhoras verdadeira compaixão e amor, mais ainda quando numa noite, cuidadosamente - seria a morte se seu pai descobrisse - Eugénia invade o quarto de Carlos que estava adormecido e lê algumas cartas em que pede a um amigo para vender seus pertences e pagar todas suas dívidas, já que irá tentar a vida nas Índias. Eugénia, então, dá a Carlos as moedas que seu lhe dá todo o ano, mas que sempre todo ano precisa tocar e ver que ela nada gastou. Aliás, quando Grandet consegue fechar negócios vantajosos com a ajuda de Cruchot (Uma das duas famílias que anseiam conseguir casamento com Eugénia) sempre dá dinheiro para a esposa, que mais tarde sempre pede de volta, quando precisa, na realidade mais é para saber que ela não gastou.

Grandet é o personagem mais interessante, pelos detalhes rigorosos e reais que Balzac emoldura em cada cena com cada tipo personagens. Grandet é um anti-herói que não enxerga meios, só avista o fim desejado e sempre alcança com seu trabalho e também com sua astúcia e recursos, ás vezes, nada honestos. Enriquece de uma forma tão individualista que nem a família desconfia da riqueza que constrói.

É um romance realista que fotografa a sociedade parisiense e a mesquinha forma de adentrar dentro dela através da riqueza e títulos. Mostra tudo que se faz para obter um lugarzinho na sociedade. Até mesmo Carlos, após anos nas Índias fica como Grandet, um avaro, um individualista que busca riquezas e posição social, levando-o a endurecer o coração e esquecer o amor que jurou a Eugénia. E quando volta, casa com a filha da nobre família Des Grassin apenas para ganhar um título e ter uma vida estável e reconhecida.c Enquanto isso, Eugénia perde pai e mãe e se torna também uma mulher que busca aumentar a fortuna do pai - de modo menos rígido - e quando fica sabendo do casamento do primo também se casa com o amigo do pai , mas fica viúva rápido, descobrindo que seu marido não era um homem honesto como pensava.

Enfim, é um romance simples mas Balzac possui uma descrição minuciosa e uma autenticidade da época, da sociedade, do comportamento humano que faz enriquecer por demais cada página lida. Mesmo com tão poucos personagens, sem um envolvimento maior do casal de primos, sem tramas, Balzac nos faz viajar em dois mundos opostos, um mundo de ambição e um mundo de ingenuidade. Um mundo de simplicidade e um de astúcia e jogos de poder. Mostra o endurecimento da alma diante das ascensões materiais. Mostra que a morte é realmente aquele final que chega para todos e que não há como levar nada dos bens materiais - morte de Grandet que fica a segurar suas moedas de ouro sem poder comprar a vida.


Eugénia Grandet
Autor: Balzac
Editora Martin Claret
191 páginas
Ano: 1833

976 visitas desde 18/04/2017


Quer outra dica de livro?