A Garganta da Serpente
Resenhas dos Répteis releases, resenhas e críticas
Texto de:

Divulgação

  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A cegueira e o saber, de Affonso Romano de Sant'Anna nosso habitante

Ler (ou reler) as "crônicas culturais" de Affonso Romano de Sant'Anna, como ele mesmo as denomina, sem ter que esperar por elas em jornais ou revistas, é um renovado prazer propiciado por este lançamento da Editora Rocco. A reconhecida lucidez do poeta e professor de literatura serve de leme para quem se interessa por "entender a ´contemporaneidade´ e rever a tradição".

Nas seis primeiras crônicas, que dão título ao livro, o autor seleciona lendas, mitos e textos literários sobre o "intrigante tópico da cegueira e do (não) saber", como o Ensaio sobre a cegueira, de Saramago, Em terra de cego, conto de H. G. Wells, A carta roubada, de Poe, A nova roupa do imperador, de Andersen, entre outros, para apresentar os vários aspectos do ver e do não-ver - a cegueira como uma praga temporária, a visão arrogante que não enxerga o óbvio, o pacto social em torno do não-ver, a sabedoria que ilumina a vida interior, o desafio de ver o mundo com novos olhos.

O estilo agradável, lúcido e didático de Affonso Romano de Sant´Anna conduzirá o leitor a um prazeroso mergulho em suas crônicas, uma após outra, descobrindo os percalços de uma carreira de escritor às voltas com a folha em branco ou com as recusas dos editores à publicação. Como surge uma obra literária? Como fazer emergir a poesia? Como publicar e ter sucesso? Estas são algumas das muitas questões que o autor considera "perguntas simples, respostas complexas".

Para auxiliá-lo nas respostas, apresenta aos leitores o trabalho do escritor italiano, Mario Baudino, com o livro A grande recusa, que conta a história de rejeições, por parte das editoras, a grandes escritores, como Scott Fitzgerald, James Joyce, D. H. Lawrence, Hemingway e muitos outros. "E, entre tantos casos da literatura moderna, dois se tornaram célebres: as recusas de Em busca do tempo perdido, de Proust, e O Gattopardo, de Tomasi de Lampedusa." Esta descoberta certamente levará o leitor/escritor a "se espantar e até se sentir estimulado a continuar recebendo negativas sem tanto sofrimento".

Há, ainda, dois aspectos do livro de Affonso Romano de Sant´Anna que merecem ser realçados. Primeiramente, por não se considerar um crítico literário, sua evidente intenção é despertar a sensibilidade e a lucidez dos leitores em relação aos autores que apresenta em suas crônicas, o que ele faz com indiscutível delicadeza, prenunciando o prazer dessas leituras. O outro aspecto é a sua indisfarçável paixão por viagens, que contagia o leitor com as vivas descrições dos locais que simplesmente visita ou para onde vai declamar seus poemas, como na crônica No Chile de Neruda. E, em algum momento, ensina que "a arte de viajar tem que envolver todos os sentidos. Por isso é que a sensualidade e o amor podem transformar a arte de viajar numa arte maior".

Merece especial referência a seqüência das seis crônicas, intituladas Real Romance de M. Haritoff, que narram a história de um amor fulminante, a respeito do qual o autor deseja que, "um dia, alguém com mais competências e fôlego retomará para alimentar com um pouco mais de verdade o nosso insaciável imaginário". Ainda seria difícil não destacar Um judeu, um palestino, Os cabelos de Clarice e Outro Cabral, barroco. Neste livro, Affonso Romano de Sant´Anna atinge plenamente o que pretende com a sua crônica literária: "o texto que sendo necessariamente culto não agrida o leitor".


A cegueira e o saber
Autor: Affonso Romano de Sant'Anna nosso habitante
Editora Rocco
311 páginas
Ano: 2006

620 visitas desde 19/04/2017


Quer outra dica de livro?