A Garganta da Serpente
Resenhas dos Répteis releases, resenhas e críticas
Texto de:
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

O Artesanato de Enfados do Poeta Antonio Mariano

A poesia de Antonio Mariano mostra o criador torneando seus incontáveis sentidos no artesanato de seus líricos enfados que são pretéritos, dispersos, desorientações e desjardins. "Tenho o feeling das pedras/Ao sabor do mar" belamente canta Antonio Mariano, cabendo a ele sim, poeta de rara beleza, mostrar cada poema - a novidade - de estar vivo e respirar pela lâmina goiva de sua sensibilidade. O tear de sua solidão-cangalha, de sua solidão-albatroz?

A faca cega que acorda a palavra? A faca cega que orna dialéticas de próprio punho-prumo-(prisma). Nota-se a sua "construção de águas", tocando o intocável, remando - a palo seco - contra uma noite indizível, um "de-quê" de si trazido à tona, quase navegações - alma nau? - vertentes, vertentos, aquários, chuvas que não se guardam num guarda-chuvas, portanto, o escrever é não esquecer, antes recontemplar-se. Lembrar dói? Existir dói. Aliás, "Existir a que será que se destina?." Caetano Veloso dava sua pinceladas.

O poeta fazendo poemas, mostra a sua língua? Visceral, epigramático, na verdade Antonio Mariano funda a sua construção do eu de si, na poesia. Antonin Artaud disse "Aceitar arder como tenho ardido em toda a minha vida". Esse é Antonio Mariano que não perdeu a sua lã-lãmina estética e poético-filosófica.

"Toda lágrima é lacre" diz ele (Poema Vazante.) Olha a lágrima aí. Poeta de águas que calam fundo, falam fundo, ele mesmo em seu poetar lágrimas, sais, rumos, travessias, fundeando (lastro) na âncora da competência poética. Naufrágios decifráveis nas palavras ou pedras paralelas, para elos? E tome poesia!

A partitura poética na alma de quem tem olho ferino (ferindo) e fere-se no olhar, retraduzindo o vivível pela arte lítero-poética. Enfados no entorno. Elenco de desorientações que assim procuram a pedra de toque da criatividade, dando nisso: artesanato puro e nada linear.

Poemetos quase haikais, confeitos de angústias revisitadas. "Tão longe a amada/A corda ao pescoço acorda/Uma flauta amarga". Belíssimo. Bravo. Lavações, espelhos, coreografias de palavras. Jazidas de minas d´água. Ele quer o não ser-se, ou tudo é um resgate de pertencimento-endereço íntimo? A fuga para a poesia torneada enfado? O poeta é um fingidor...

Poeta premiado, dois livros anteriormente publicados, coluna em jornal de sua terra, colabora com suplementos culturais de renome, e ainda é pedra de toque na web. A eternidade também é feita de passos. "Aquele homem/Me aguarda na esquina/Com uma faca(...)/Que irá repartir o pão(...)/Cortasse ele a esquina/Seria talvez padeiro/Resgatando a poesia/Que me escapa das mãos" Poética limando palavras. Essa é a tônica do Antonio Mariano.

Perdas, reencontros, a poética "áccua" de Antonio Mariano, como uma onda bate e fica, marca a tez chão, leva e traz, fazendo espumas, molda-se areia e sal, suas lágrimas - cantos aqui e ali recortados, retorcidos, repaginados - mas ainda assim abundantemente poesia. Cisterna-vazante, paradoxos-nexos, elos-desligamentos; sim, guarda-chuvas não contêm lágrimas esquecidas. Eis o livro libertador de suas angústias talvez sublimadas na vibrante poesia, ótimo confeitor delas que é, por isso mesmo quase todas são resgates de (quase) inconscientes esquecidos, iluminados agora e assim também enlivradas pela lanterna da sensibilidade que, fria, sim, aponta, recorta, ilumina e ainda transparece as lágrimas dos seus tantos desregramentos.


Guarda-Chuvas Esquecidos
Autor: Antônio Mariano
Editora: Editora Lamparina

367 visitas desde 20/04/2017


Quer outra dica de livro?