A Garganta da Serpente
Resenhas dos Répteis releases, resenhas e críticas
Texto de:
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Sonderkommando - no inferno das câmaras de gás
- Um livro de Shlomo Venezia -

A verdade pura dói no profundo âmago da humanidade. Era é cruel, impiedosa, sem dogmas e pragmatismos que enfeitam ou criticam uma história ou uma versão de uma outra história, ou ainda do ponto de vista de quem viveu um momento histórico relevante. O próprio amor deixa de ser uma realidade, quando no obscuro das palavras sinceras, parcas e vazias de uma pessoa. Por mais de cinqüenta anos, Shlomo Venezia ficou em silêncio no que padeceu durante a Segunda Guerra Mundial. Só recentemente em um livro, Sonderkommando - no inferno das câmaras de gás (Sonderkommando - Dans l'enfer dês chambres à gaz, tradução Jorge Bastos, Objetiva), que resolveu narrar o que tanto escondia, desprendendo em um testemunho a verdade, para que todos conheçam o horripilante cenário que ocorreu em Bikenau-Auschwitz II e faça de tudo para que não ocorra jamais.

Os sonderkommandos ou comandos especiais eram unidades de trabalho formadas por prisioneiros selecionados para trabalhar nas câmaras de gás e nos crematórios dos campos de concentração. Isolados dos demais prisioneiros do campo, sem nenhum contato, eles eram obrigados a esconder o que faziam: levar os corpos das câmaras de gás aos crematórios. Também estavam condenados a morte, testemunhas que a SS eliminava a intervalos regulares, e cujo primeiro trabalho era se livrar do grupo anterior de sonderkommandos. Venezia, deportado aos 21 anos a Auschwitz, foi um desses sonderkommandos que sobreviveu e aqui narra o horror que o destino tocou em sua vida.

Muitos filmes, livro e artigos já foram publicados sobre o tema Holocausto, mas Shlomo narra algo aterrador. O livro é o testemunho de um sobrevivente do Holocausto, como muitos outros, porém este é bem diferente, esmiúça de maneira sincera e com clareza toda a máquina de extermínio que os nazistas desenvolveram. Poucas descrições da barbárie são tão impressionantes como esta, uma reconstrução minuciosa das recordações que o autor sentiu, fez e sofreu até ser libertado pelos americanos em 1945. Algo que para muitos de nós, é inconcebível, quem não viveu uma guerra, não imagina o que realmente podemos ser capazes. E nesse testemunho mostra o que fez ao ajudar a máquina sanguinária de Hitler: preparava para o "banho" na câmara de gás, limpar a câmara queimar os corpos e depois desfazer das cinzas, além de classificar os restos dos mortos, como roupas ou os dentes de ouro dos cadáveres. Tudo por troca de uma ração extra de comida ou garrafa de vodca.

Dos poucos livros que tratam do assunto esse é imprescindível, pelo absurdo demonstrado. Nem há sentido para tentar entender a irrespeitosa honestidade que os alemães davam aos seus prisioneiros. O que tinham o temor e o desespero, a única moeda crível para aqueles que estavam nos campos de concentração. Um livro impar. Uma vitima que se viu obrigada a colaborar com seus carrascos, a espera que chegasse o seu próprio fim. Uma ode ao significado real da palavra vergonha.


Sonderkommando - no inferno das câmaras de gás
Autor: Shlomo Venezia
Tradução: Jorge Bastos
Objetiva
248 páginas
2010

1421 visitas desde 20/04/2017


Quer outra dica de livro?