A Garganta da Serpente
Encantadores de Serpentes concursos e prêmios literários
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Resultado do III Concurso de Trova – ALAP
Homenageando "ACAD. ONILDO CAMPOS"

01) Minha sogra é o próprio cão,
com esta velha ninguém pode
na cintura tem facão
e no rosto tem bigode.

02) Numa igreja os crentes rezam
exaltando a santa cruz...
Mas pelas ruas desprezam
sem saber o bom Jesus.

03) Minha sogra Dona Zita,
não tem dente, nem cabelo
toda vez que me visita,
minha noite é um pesadelo.

04) A natureza hoje chora
a cruel devastação
que faz o verde ir embora
e veste de cinza o chão...

05) As cordas de minha lira
levam-me a um mundo risonho
onde a saudade suspira
no doce embalo do sonho!...

06) Com retalhos de lembrança
que arranquei do coração
teci colcha de esperança
e agasalhei a ilusão...

07) Se na vida tudo passa,
vamos comigo pensar:
Onde é que está a graça
de pra tanto assim lutar?...

08) A família, oh tesouro
que todos nós recebemos...
Vale mais que todo ouro,
mas só nós não percebemos!...

09) Eu só sei que nada sei,
e nem quero mais saber...
Quanto mais penso que sei,
mais tenho para aprender...

10) O meu coração de mulher
esculpi na pedra bruta
seguindo como Deus quer
a vida de tanta luta.

11) No livro da Carochinha
viajei pela fantasia
fui bruxa e fada-rainha
no conto de cada dia.

12) Quanto mais eu me esforço,
quanto mais faço vigília,
tanto mais eu me enrosco
no sustento da família!

13) Quando você está perto,
quase sempre me irrita!
mas sua ausência é um deserto
que em nada me habilita.

14) Ao nascer, um anjo cego
distraiu-se e não me viu.
E é por isso que eu me pego
sendo uma a mais em mil!

15) Não me fale de beleza,
ou de amor, nem de bondade;
Só me cale'ó incerteza,
no silêncio da verdade.

16) Quando te vejo, meu bem (A planta)
sinto a chuva me molhar
sou como a planta também
que só quer se alegrar.

17) Beijos nas tuas entranhas (Bem e mal)
me conduziram ao céu
me deram forças estranhas
me senti bom e cruel.

18) Fim da metade da vida: (Metade)
não vi que estava no meio
não vi minha face escondida
com medo do que não veio.

19) Se eu encontro solução
No que me dá seu braço
Tenho a vera tradução
Do que é um seguro laço.

20) Lua vem, me devora
Como sendo a boca sua
Seus lábios, ah, beijo agora
Este dia se insinua.

21) Braços meus, que vão, te acolhem
neste ninho - puro amor
Braços teus tão bem recolhem
a mim, servo teu, senhor.

22) Quanto mais eu penso sinto,
quanto mais eu sinto vejo,
no circulo do eu infinito
quanto mais penso, sinto desejo.

23) À sombra do entardecer,
quando esvai-se a luz do dia,
vem a saudade tecer
teias de sonho em poesia!

24) Ah! saudade traiçoeira,
lamentos do coração,
traz minh'alma prisioneira,
nas malhas da solidão!

25) Velho barco que vagueia,
nas bravas ondas do mar,
teu farol é a lua cheia,
teu norte, a luz do luar!

26) A diferença da sorte
está na flor escolhida
uma representa morte
outra representa a vida.

27) Teus olhos são um castigo
Que me domina a razão
Seu azul tem mais perigo
Do que fogo em explosão.

28) De tanto na vida alheia
Tentar meter o nariz
Ficou com a cara feia
Marcada de cicatriz.

29) Eu conservo dois amores
Um que chora, um que gargalha
Tem um que me manda flores
O outro me faz de cangalha.

30) Inventaram suspensório
Para segurar as calças
Um recurso provisório
Parece cinto com alças.

31) O amor é mais convincente
no beijo dado, inclusive,
ao viver o que se sente,
ao sentir o que se vive!

32) A semente nos ensina:
mesmo na terra escondida,
mesmo sendo pequenina,
resguarda a explosão da vida!

33) Amei, com sinceridade...
Foi inútil... embora em vão,
fiz do amor uma saudade,
da saudade uma canção!

34) A punhalada deixaste, (Xadrez)
Mas essa já não dói mais
A peça que pisaste,
Essa não terá jamais.

35) A trova é só um repente, (Trova)
De um sentimento profundo,
Sai lá de dentro da gente
E se espalha pelo mundo.

36) A vida dura um momento? (Momento?)
É difícil acreditar!
Como tanto sofrimento,
Teve tempo pra me achar?

37) Mistérios, amores, vida, (Dança macabra)
Pureza, fé, ser criança,
Crescer, ser velho, a partida,
Final da macabra dança.

38) Onildo Campos... presente
entre nós foi boa prova
de que Deus onipotente
abençoa a quem faz Trova!

39) A ALAP homenageia
Onildo Campos poeta,
o trovador de mão cheia,
sensível alma de esteta!

40) "Dona Saudade, velhinha..."
Em meu peito ainda chora
Ao lembrar o caro Onildo
Que tão cedo foi embora...

41) Um jovem que caiu no vício,
procura sonhar em vão,
pois o vício é um precipício,
cujo fim é a escravidão.

42) Quando o Chefe da Nação
diz que não sabe de nada,
mais parece gozação
ou mentira deslavada.

43) Se conhece na função
sanguessuga que governa:
quem no erário passa a mão
e no povo passa a perna.

44) Qual caminho? Nestes versos
condeno o dos fariseus
e afirmo, irmãos, há diversos,
mas só o da fé leva a Deus!

45) Negas o amor, mas me valho
da verdade, sem talvez.
Ah, teus olhos têm do orvalho
o brilho... quando me vês!

46) Amizade é o que mais quero
e não a troco por ouro
porque um amigo sincero
suplanta qualquer tesouro!

47) Os teus beijos são massagens
pra minha alma relaxar.
E o amor que tu me tens
conquistou-me no altar.

48) Todo ser tem um lugar
ao qual a alma pertence.
O meu, querem-mo tirar;
sem ele, a morte me vence!

49) O amor que sinto por ti
faz de mim um ser maior:
contigo, não estou só aqui
mas também ao teu redor.

50) O amor que sempre quis,
reside, agora, comigo
enfim, um viver feliz
e belo caminho eu sigo.

51) Com amor tudo é melhor...
A vida ganha esperança.
Essa lição sei de cor,
desde os tempos de criança.

52) A seu lado não há dor,
pois o mal você apaga.
Ao anular o torpor
o meu ser você afaga.

53) Meu coração quis guarida
e você chegou pra mim.
Mas nos tropeços da vida,
nosso amor chegou ao fim.

54) Eu olhei pra São João,
porém beijei Santo Antonio.
Porque me lembrei então,
que o que eu quero é matrimônio.

55) No Dia das Mães, tristonho,
o meu olhar vai ficar,
porque não vejo nem em sonho,
Mamãe para me alegrar.

56) Se eclodiu nossa paixão,
existe o agora... nós dois,
pois, no império da emoção,
fica bem longe o depois.

57) Passa o tempo... Chega a idade
na seqüência dos instantes...
Vai represando a saudade
que é um cilício de brilhantes.

58) Fugindo da realidade,
busco um mundo só de encanto
e, no colo da saudade,
ouço do tempo o acalanto.

59) Eu, gavião bastante experiente,
Não conheço a felicidade;
Ela, menina inocente,
Me lecionou essa verdade.

60) Mãe, querida e amada (Mãe)
Por filhos deu a vida
Por Deus abençoada
Pobre. Porém, mãe rica!

61) Lindo beijo na boca (Beijo)
Com carinho e ardor
Recebi como louca
Dado com muito amor!

62) Felicidade a dois (Fidelidade)
Importante e vital
Nunca deixar pra depois
Fidelidade total!

63) Você só fica esperando (Vai à luta)
que as coisas caiam do céu.
Vai esperar até quando?
Não deixe sonhos ao léu.

64) Solidão é mais cruel (Isolamento)
quando a dois ela é vivida.
É amarga como fel,
mais profunda e mais doída.

65) Sonho acordada contigo, (Fixação)
dormindo sonho também.
No coração eu te abrigo.
Esse amor só me faz bem.

66) A busca da tal verdade, (Pura)
um eterno caminhar.
Já começa em tenra idade
não tem hora de acabar.

67) Esse tal de quase-quase (Sina)
acontece só comigo.
Vivo nesse sempre quase,
mas eu confesso: não ligo.

68) Folha branca que me esperas (Falta de inspiração)
ofertando tal pureza
meus, verás, em outras eras,
versos de sutil beleza.

69) Quem é por fim o maior,
senão o Deus que um luzeiro
fincou no céu? Fez melhor:
alumiou o mundo inteiro!

70) Enquanto a chuva, na terra,
lança a vida... a nuvem jaz.
Sobre a lápide da guerra,
sobrevivente está a paz!

71) Quando abrimos os armários
onde, escondida, está a fé,
todos somos solidários:
os de Cristo, Alá, Maomé...

72) Dias das Mães, que alegria!
Todos exclamam com fé.
Mas, indago sem ironia:
Qual o dia que não é?!

73) Há livros com tantas folhas
sem nenhuma utilidade;
as frases são como bolhas
que jamais deixam saudade.

74) Está no livro da vida
um precioso ensinamento:
nele eu aprendi, querida,
a te amar cada momento.

75) Entre livros e cadernos
escondi uma poesia;
retrato ali meus infernos
de quando te amei um dia.

76) Quero amar quem me rodeia
de um modo tão inclusivo,
que, no ódio de quem me odeia,
veja, até, mais um motivo!

77) Pior que engolir mosquito
é boca sempre fechada:
por falta de um simples grito,
tem morrido uma boiada!

78) Lutando contra a mensagem
que em luto nos envolveu,
quem me dizia: "Coragem!"
chorava mais do que eu!

79) O sol na telha rachada
do teto de um barracão
pela fresta ali formada
risca de luz o seu chão!

80) Mãe são braços, cada perna,
nosso corpo, até a mente...
Partindo pra vida eterna,
leva um pedaço da gente.

81) Das lições, a mais singela
recebida em minha vida,
simplesmente foi aquela
que jamais foi esquecida.

82) No meu coração moram anjos... (Meus anjos músicos)
Quando surges exalando violetas,
Sinto no peito os arranjos:
São os anjos tocando trombetas!

83) Sei por que o céu é casto, (Céu ou Inferno)
É que os homens vão pro inferno.
Se não rezar o campo é abasto.
Se rezar, só amor fraterno.

84) Vou pegar rendas do mar, (Vestido de noiva)
Pra fazer o meu vestido.
Pois vou logo me casar:
Já escolhi meu preferido.

85) A natureza protesta
pelas matas devastadas
e destrói uma floresta
com o fogo das queimadas...

86) O amor é um grande jogo,
e se intercalam na arena
a dança ritual do fogo
e a água a fluir serena...

87) A vida parece um rio,
com seus segredos nas curvas,
e o mistério mais sombrio
escondido em águas turvas...

88) O poeta é um passarinho, (O poeta)
mesmo só, vive a cantar,
quer ter, além do seu ninho,
liberdade pra voar.

89) Enamorada e inquieta (Poesia)
a menina lê poesia;
quem inspirou o poeta,
por entre as nuvens espia.

90) Sou poeta, hei de vê-la
co'a vaidade no chão
querendo ser a estrela
da minha constelação.

91) Sou trovador, falo alto
Sou polido, mas sou franco:
Consigo escrever no asfalto
Nas entrelinhas em branco.

92) Para enfeitar meus delírios:
Eu não querendo flor bráctea
Lírico eu colho lírios,
Nos jardins da Via-Láctea.

93) O que dá encanto à vida
é a existência do amor,
qual tempero na comida
aumenta sempre o sabor!...

94) Amigo, não se acomode:
veja a luz do vaga-lume
que se esforça, o quanto pode,
para mostrar o seu lume!

95) Chegam sem nos dar avisos
as alegrias e a dor
e, entre lágrimas e risos,
vamos procurando o amor!

96) Sozinha estou aqui no cais,
a chorar os meus lamentos.
só elas ouvem os meus ais,
velas grávidas dos ventos.

97) É sua cruz já tão pesada
que mal pode carregar,
mas embora já cansada,
mamãe tenta me ajudar!

98) Aquele amor sem medida
deixou a medida da dor.
Na lacuna da ferida,
só lágrimas e rancor.

99) Amor de mãe tudo pode,
nada suplanta o seu brilho.
Sempre a postos, sempre acode;
que importa a idade do filho?!?!

100) No baile chega, vaidoso,
e intima a dama pra dançar.
Escuta, então, desditoso:
"- Só se tirares... a pança!"

101) Culpado, não tem defeito;
tão puro o rebento seu...
Por tanto amor no seu peito,
mãe é cúmplice... de Deus!!!

MAIS INFORMAÇÕES.:

Academia de Letras e Artes de Paranapuã - ALAP
Sede provisória:
Rua Santa Amélia, nº 88 / 1011 - Tijuca
CEP: 20260-030 - Rio de Janeiro - RJ



ATENÇÃO: as informações aqui divulgadas são de inteira responsabilidade dos organizadores dos concursos. Para mais informações ou esclarecimentos, entre em contato com os mesmos. A Garganta da Serpente apenas faz a divulgação.
legenda dos ícones:
  • novo concurso
  • prazo prorrogado
  • com taxa de inscrição
  • premiação em dinheiro
  • premiação em livros/publicação
lista
Seja avisado sempre que a seção dos Encantadores de Serpentes for atualizada

somente texto HTML



Siga nosso Twitter:
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente