A Garganta da Serpente
Cobra Cordel literatura de cordel
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Um pouquinho do que fui pra chegar a professor

(Roberto Ribeiro)

Eu não sou um cordelista
Mas admiro o assunto,
Desejo me aprofundar
E um dia chegar junto
Ter meu nome conhecido
E não ser mais esquecido
Antes de virar defunto.

Eu sou filho de Campina
Rainha da Borborema,
Estou usando o cordel
Pra destrinchar o meu tema,
Não sou bom em matemática
Nem tão pouco de informática
Por causa dos teoremas.

Já fiz tudo na vida
Pra poder sobreviver,
Levei "paulada" no lombo
Mas consegui aprender,
Vendi pipoca na praça
Lutando no peito e na raça
Pedindo a Deus pra vencer.

Fui vendedor de laranja,
Amendoim e cocada,
Carreguei frete na feira
Fui gandula de pelada,
Fui criador de galinha
Consumidor de farinha,
Na minha grade jornada.

Nas obras de construção,
Fui servente de pedreiro,
Pintor de obras já fui!
Já fui um bom sapateiro,
Fui cortador de solado
Já tive até revoltado
Por não ganhar o dinheiro.

Fui cobrador de "perua"
Transporte bem clandestino,
Vendi balinhas na feira
No meu tempo de menino,
Nunca matei nem roubei
Tomei cachaça e fumei
E fui seguindo o destino.

Hoje estou madurecido
Sou papai e sou avô,
Fui um bom eletricista
E também encanador,
Fui pedreiro e carpinteiro
Rodei meu país inteiro
Hoje sou educador.

Sou bem feliz com que faço
Muito carinho eu tenho,
O meu oficio honroso
Que com orgulho aqui venho,
Dizer que sou exigente
Já ajudei muita gente
A ter um bom desempenho.

Pois é, amigos leitores,
Esse pouquinho da história,
Enche-me o peito de orgulho
Por ter chegado à vitória,
Agradecendo a Jesus
Que me mostrou uma luz
Por isso mesmo dou glória.

3881 visitas desde 18/01/2011
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com