A Garganta da Serpente
Cobra Cordel literatura de cordel
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Jainismo

(Alfred' Moraes)

Mahavira era um guerreiro
Hindu, de linhagem nobre,
Que ainda moço descobre
Uma injustiça velada.
Do hinduísmo se afasta
Já que o sistema de casta
Pra ele era uma cilada.

Os brâmanes sempre foram
A casta "superior"
E até então, pra se opor,
Ao sectário sistema,
Tinha que romper os laços,
Redirecionar os passos,
Porém havia um dilema.

Os princípios hinduístas
Pregavam o sectarismo
Por isso havia um abismo
Entra as castas existentes.
Pra mudar esse cenário
O jovem reacionário
Foi corajoso e valente.

Promoveu uma reforma
Profunda no hinduísmo
Tal qual fizera o budismo
Na sua iniciação,
O Jainismo então nascia
Com outra filosofia
Virando religião.

Dois milhões de praticantes
Existem hoje no mundo
A Índia é um país fecundo
Pra angariar seguidores.
A crença nasceu por lá
Contudo é certo que há
Envolvidos outros fatores.

Jaina ou Jina é um título
Honorífico de glória
Conforme os anais da história
Foi dado a Mahavira.
Pelo seu pragmatismo
Daí o nome Jainismo
É a conclusão que se tira.
O jainismo defendia
A posição não-teísta
Sendo assim, toda a conquista,
Que um indivíduo obtém
Advém de suas vontades
E não de quaisquer deidades
Ou desígnios do além.

Adotam uma metafísica
Contraditória e complexa
Que deixa a mente perplexa
Pra decifrar o extrato
Afirmam que o dualismo
Existe entre o concretismo
E um outro lado abstrato.

Afirmam que o universo
Dividi-se em duas partes
Apresentando contrastes
Entre uma "coisa" e um "ser"
À "coisa" chamam de jiva
À "qualquer ser", de ajiva
Estes têm, almas ao nascer.

O jiva subdividi-se
Em "Matéria e Movimento"
Que tem mais dois elementos
Compondo essa divisão
O "Tempo" que é implacável
O "Repouso" sempre estável
Completam essa relação.

A divisão do agiva
Tem oito classes primárias
Inúmeras secundárias
De difícil entendimento.
O Carma é coisa tão séria
Que reúne alma e matéria
Num complexo elemento.

Libertar-se por completo
Dos laços matérias
E não maltratar jamais
Os seres vivos da terra,
Ter disciplina e decência
São os ditames da essência
Que essa doutrina encerra.

3691 visitas desde 10/03/2011
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com