A Garganta da Serpente
Cobra Cordel literatura de cordel
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Cristianismo

(Alfred' Moraes)

Vem do antigo judaísmo
A religião cristã
Trazendo no seu afã
Um novo modo de vida.
Reformulando conceitos,
Instituindo preceitos,
Mas, muito mal entendida.

Conservou "ipse litere":
A lei dos dez mandamentos
Mas, os apedrejamentos,
Entre outras crueldades,
Condenara de tal forma
Que uma profunda reforma
Proibiu essas maldades.

A Bíblia é o livro sagrado
Que o Cristianismo adota
Nela, definiu-se a rota
Da verdade sempiterna.
Quem seguir os seus preceitos
Será um, dentre os eleitos,
Pra ganhar a vida eterna.

Tudo começou com um Homem
Nascido na Galiléia,
Tinha descendência hebréia
E ascendência Divina,
O Amor era o seu Tema
A Humildade, seu Lema,
O Sofrimento, sua Sina.

Seu nome era JESUS CRISTO,
Sua mãe Santa Maria
Pregava na Samaria
E por toda a Galiléia
A essência da verdade
A paz e a fraternidade,
Na sacrossanta odisséia.

Foi o Rei Anunciado
Antes de ser concebido
Foi o Filho Prometido
Por Deus Todo Poderoso.
Como uma prova suprema
De misericórdia extrema
Ao mundo pecaminoso.
Jesus Cristo na verdade
Nunca foi um Nazareno
Mas desde muito pequeno
Foi morar em Nazaré.
Talvez por esse motivo
Ganhou o adjetivo
O Filho de São José.

Praticou muitos milagres,
Tinha um poder infinito
Entre os frutos foi bendito,
Entre os homens, imaculado.
Deu uma lição de vida
Que nenhum cristão duvida
Do seu santo postulado.

Fora Sábio como Mestre,
Fiel à sua doutrina,
Foi além da medicina
Dominando a própria morte.
Foi Deus que se fez humano,
Conforme o divino plano,
Pra selar a nossa sorte.

"Atire a primeira pedra
Quem nunca pecou na vida."

Esta frase proferida
Por Jesus de Nazaré,
Salvou uma prostituta
De uma hipócrita conduta,
Sorte daquela mulher.

Exatamente o perdão
É o seu maior atributo
Essa virtude, eu computo,
Como sendo a mais sublime.
É a imaculada taça
Plena do amor e da graça
Que todo o ódio suprime.

A extrema coerência
Entre a fala e a atitude
Externava uma virtude
Que inibia os fariseus.
O seu censo de justiça
Partia de uma premissa
Que confundia os judeus.

Foi deveras perseguido
Pelo sistema político
Por ter um discurso crítico
Sobre questões relevantes.
Usaram o próprio sistema
Pra articular um esquema
Que calasse o Palestrante.

A opção pelos pobres
Não é um discurso novo
Desde aquele tempo o povo
Já era teleguiado.
A elite joga a isca
Alguém da turba belisca
E tudo está consumado.

Foi assim que o Nazareno,
Como era conhecido,
Foi totalmente envolvido
Numa trama de estado,
Não cometeu crime algum
Mas, foi trocado por um,
Que já era condenado.

Delegaram para o povo
A responsabilidade
Tanto, que uma autoridade,
Lavou as mãos e falou:
"Qualquer decisão que tomem",
A respeito deste Homem,
"Não me envolvam, por favor,".

E até hoje, quando alguém,
Quer eximir-se de culpa
Repete a velha desculpa
"Lavo as Mãos" nessa questão.
E então repetem Pilatos
Não interferem nos fatos
Mas, pecam por omissão.

O Galileu afirmara
Que a palavra é a semente
Se o ouvido é competente
A colheita será boa.
Criador da Humanidade,
Arquiteto da Verdade,
Jamais falaria à toa.

Foram doze os escolhidos
Pra semear a palavra
Cujo terreno da lavra
É o coração do terrestre.
E então caíram no mundo
Pregando o Amor Profundo
Ensinado pelo Mestre.

Quando o Messias foi preso
Houve uma onda de medo
Um deles, chamado Pedro,
Por três vezes vacilou.
Depois do cantar do galo
O mesmo teve um estalo
Arrependeu-se e chorou.

Mas depois desse episódio
Tornou-se um líder cristão,
Singrou mares, comeu chão,
Pra ir ter em outras terras,
Levando a filosofia
Muito além da Samaria.
Ele errou. Mas quem não erra?

Fortalecidos na fé
De nada mais tinham medo
Não levantavam um só dedo.
Se a blasfêmia era o motivo.
Nem que fossem condenados
A serem decapitados
Ou mesmo queimados vivos.

De jeito algum renegavam
A fé no sangue de Cristo
Cada milagre era visto
Como mensagem divina.
E assim, o cristianismo,
Suplantava o paganismo
Impondo a nova doutrina.

Ao longo de dois mil anos
Muitos cristãos divergiram
Vários grupos assumiram
Posturas tão divergentes.
Que perderam a identidade
Diante da quantidade
De doutrinas diferentes.

A chamada "gota d'água"
Foi á venda de indulgência
Sem a menor procedência
Com base nas escrituras.
Depois de queimarem vivas,
Pessoas inofensivas,
Começaram as rupturas.

Nesse tempo só havia
Bíblia escrita em latim
Possibilitando assim
Que o clero ditasse as regras.
O que viesse de Roma,
Não importava o sintoma,
O povo "engolia" às cegas.

Todavia vários bispos
Que pensavam diferente
Protestavam, duramente,
Contra os excessos do clero.
O líder da insurgência
Contra a venda de indulgência
Era Martinho Lutero.

Uma profunda reforma
Dividiu a cristandade,
Cerceou a autoridade
Do Papa e seus cardeais.
A Bíblia foi traduzida
E por muita gente lida
Fora das missas formais.

Surgem então os Ortodoxos,
Os Católicos Romanos,
Pentecostes e Anglicanos,
Entre outras mais aceitas.
Messiânicos, Batistas,
Celtas, Mórmons, Adventistas.
E um sem número de Seitas.

Também a Doutrina Espírita
Tem em Cristo a inspiração
Um outro ramo cristão
São os Rosacrucianos.
Na verdade são milhares
Nos mais remotos lugares
Criadas ao longo dos anos.

São mais de Trinta e Três Mil
Denominações Cristãs

Além de seitas pagãs,
Que evocam o nome de Cristo.
Segundo a Bíblia Sagrada
Tudo o que a Deus desagrada
Já tem seu final previsto.

Um Só Deus em Três Pessoas,
Três Pessoas num só Deus.
Nos pensamentos ateus
O enigma não cabe.
Mas o cristão acredita
Sua fé não se limita
Só naquilo que ele sabe.

No calendário cristão
Tem muitas datas festivas
Quase todas alusivas
Á vida de Jesus Cristo.
Mas a Noite de Natal
Traz um clima especial
Algo que jamais foi visto.

Nos quatro cantos da terra
O Natal rompe fronteiras
Quebra todas as barreiras
Sacode a humanidade
Transforma adulto em criança
Renova toda a esperança:
De Paz, de Amor e Bondade.

A Páscoa e Ascensão de Cristo
São milagres relembrados
Dentre os rituais sagrados
Talvez o mais importante.
O Espírito Mais Forte
Vence o Pecado e a Morte
E ascende triunfante.

Dois bilhões e cem milhões
De indivíduos pelo mundo
Muitos dos quais oriundos
De outra religião.
Seguem os preceitos de Cristo
Acreditando com isto
Alcançarem à salvação.

Os símbolos emblemáticos
Que o cristão trás na memória
Faz parte de sua história
É um Peixe e uma Cruz
Representam os pescadores
De Almas, dos pecadores,
E o martírio de Jesus.

2803 visitas desde 1/11/2010
Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com