A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

SERPENTES NEGRAS

ESPAÇOS PROFUNDOS
 NUMA DENSA ESCURIDÃO
  PASSOS LONGOS
   E DISTANCIADOS
    NUM ABISMO DE PURA NEGRITUDE
     SILHUETAS MONSTRUOSAS
      ERGUENDO-SE A OLHOS ARREGALADOS
       O AR FRIO E VELOZ
        ENTRANDO CORTANTE
        NOS PULMÕES
         DENTES TRINCADOS
          ORA ABERTOS
           ORA CERRADOS
            ESPAÇADAS AS MÃOS
             JOGADAS AO AR ÁRIDO E CONSTANTE
              CABELOS ERIÇADOS
               COMO ESTÁTICA
                DOS PENSAMENTOS
                 DILUÍDOS, PUÍDOS,
                  OUVIDOS ATENTOS
                   AOS SUSSURROS
                    GEMIDOS DOS VENTOS,
                     PIOS E RUGIDOS
                      NOS SENTIDOS CORROÍDOS
                     CORPO ARREBATADO
                  QUERENDO ROMPER
               O TEMPO E O ESPAÇO
            E ROMPENDO SOMENTE
          O VENTO GÉLIDO
        DO TORMENTO DA PRESSA
      DA FUGA DESCONTROLADA
   DOS MEDOS, DOS ERROS
 AVESSO
PÉS PESADOS
 BATENDO
  NA LONGA E INFINITA
    SERPENTE NEGRA
       ONDULADA
         DE MORROS E ATERROS
           DE BERROS E DESESPEROS
             DE AFINCO
               QUE SE PROLONGA
                 AO INFINITO INESCRUTÁVEL
                   PÉS PESADOS E DESCONTROLADOS
                   CORRENDO
                    PISANDO FORTE
                     NO ASFALTO NEGRO E QUENTE
                     MARCADO
                      TESTEMUNHA SOLITÁRIA
                     DOS DESESPERADOS
                   DOS DETENTOS
                 DA CANCIONÁRIA
               DAS FUGAS EM DESATINO
             DOS ANDARILHOS
           SEM DESTINOS
       QUE SE APRUMAM
    E SE AFINCAM
  NAS ESTRADAS ESCURAS
 E SEM RUMO
O GRITO ESTALADO AO AR
 O ECO
  QUE NÃO QUER PARAR
    OS GEMIDOS
     OS CHOROS
      OS SONS SECOS
       O PURO TEMOR
         DE NADA ALCANÇAR
           DE NUNCA SAIR
             DA LONGA SERPENTE SINUOSA
               E SEM FIM
                 ENFIM
                   A LUZ BRANCA
                     COMO A NEVOA
                      CHEGA
                     PERMITINDO UMA TRÉGUA
                    AOS SENTIDOS
                  O ALIVIO
                DE VER UMA LUZ
              ACESA NAS TREVAS
          COM OS BRAÇOS ESTENDIDOS
       PARA ALGO ENCONTRAR
    ABRAÇAR E APALPAR
  BOCA ESCANCARADA
 DE ESPANTO
O SOM SECO DO ESTALIDO
 O CHORO
  O GEMIDO
    OLHOS ATIRADOS PARA TRÁS
      FIXOS EM ALGO SE MOVENDO
        EM ALTA VELOCIDADE
          BRAÇOS E PERNAS
            JOGADOS AO AR
              NÃO DÁ,
                NÃO DÁ MAIS PRA SUPORTAR
                  UM ÚLTIMO GEMIDO
                    ASFALTO VAZIO
                     O CORPO ESFACELADO E PARTIDO
                      SUMIU
                     CONSUMIDO PELA SERPENTE
                    DE REPENTE
                  CONSUMIDO PELA SERPENTE
                O SILÊNCIO
              ALÍVIO
            FINALMENTE
          UM SENTIMENTO DE PAZ
        SERÁ?
      DESSA FUGA
    QUE NUNCA PARECE ACABAR
  INCONDICIONALMENTE
 TERÁ QUE SE ENTREGAR
COM O CORAÇÃO ARREBENTADO
 ARREBATADO DO PEITO
   PARA ENTÃO
     REALMENTE
       A TÃO ESPERADA PAZ
         ENCONTRAR
            REFEITO E PRONTO
               ENGOLIDO
                PELA NEGRA SERPENTE

(escrita originalmente em 19/04/82 e adaptada em 13/07/01)


Valdyr Fuîn

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com