A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

PELE NUA

A mente no lume vagueia,
Eu não entendo seu gosto,
Amordaceia a serpente,
E fere com fogo seu rosto.

O corpo inteiro despido,
Depois de amar a lua.
Suas mãos cingem o tecido,
Que te cobre à pele nua.

A alma atende um pedido,
A razão vem inconsteste.
Contempla seus cabelos tingidos,
No espelho que se reflete.

O mundo lhe rouba as cores,
A luz que em seus olhos alumia.
Profana seu vaso de flores,
E nem a tensão alivia.


Lugo de Paula

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com