A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

RASTEJANTE

Não me sufoquem.
Não me atormentem.

Sou uma serpente
em prantos,
sufocada, rastejando
nos pântanos encharcados.

As lágrimas se tornam
pesados diamantes sem brilho
alegria ou prazer.

Como é horrível o pântano
sujo, sem luz,
beleza ou amor.

Dificuldade em rastejar,
quando se têm pernas
para andar, correr,
viver...

Como lamento
chegar a esse ponto
de minha vida...

Que vida?


Ligi@Tomarchio®

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com