A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A SERPENTE

Vai, persegue rastejando tua próxima presa;
Dança tua valsa sibilante de luxúrias triunfais
E canta, enfim livre da tradição - outrora presa
Qual pecaminoso elo aos teus anéis bestiais.

Enche de peçonha os teus perlados e agudos dentes,
Terríveis arautos do delírio e da putrefação,
E morde o orgulho humano legando-lhe teu presente
Que goteja dos orifícios qual licorosa danação.

Damballah, Tiamat, Apep e Soboadã
Dentre tantos são alguns de teus nomes,
Embora sejas mais conhecida como Satã...

Apelo à tua escamosa sabedoria imorredoura
E oferto à tua glória o sentimento que me consome
E que cresce ante teu olhar, que a tudo ilumina e doura.


Fernando Atanázio

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com