A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Ulysses

I

Na cabeça da Medusa havia serpentes
que diziam para o tempo, perpetuar,
e não eram ao todo as serpentes más,
queriam apenas perpetuar em pedra,
para que o tempo não dissipasse,
por exemplo, coisas tão tardias,
a face de uma criança contra velhice...

Na cabeça da Medusa havia serpentes
nos olhos das serpentes, encantos
contra o ressoar de outros tempos,
e no habitat de Medusa, um templo
dedicado a perpetuação do cotidiano.

II

Quando Medusa provou do veneno,
pode perceber este encanto nos olhos,
que diziam elas para o tempo, perpetuar,
era em estátua que esta presente ficou.

Contam, porém, existem as divergências,
que Ulysses já velho e exausto de aventuras
teria permitido que uma serpente apenas,
aquela sobrevivente da cabeça de Medusa
vive-se, não por caridade, (este não o tinha,
gestos como este, tinha sido como deuses)
sendo parte do projeto de então perpetuar.

De Ulysses nunca se encontram despojos,
e comentam ainda que quando a serpente
lhe olhou, lhe perspectivou com admiração,
fato único para o terrestre...


Eric Ponty

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com