A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

Grão de serpente

De seguir o deserto
paira a serpente no chão,
exata, contrição.

Entornando cânticos úmidos
o coração da serpente
se desfaz em areias
de céus e mandalas.

Imovél,
a tonta.
No entanto, nada.


Cristina Guedes

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com