A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

A Serpente e a Pluma

A serpente viu a pluma a flutuar
num bailado, pelo céu azul anil...
Desdenhosa, ela fingiu não importar
ser rasteira, presa ao chão, sempre servil.

Sibilando, fez a pluma acreditar
no seu vôo ser sem graça, e conseguiu
que a pluma se deixasse enlaçar
e assim, do chão, um pouco ela subiu.

Desde então, serpente e pluma dependentes,
não conseguem ir ao céu, prender-se à terra.
Combinadas, geram frutos, descendentes

da palavra, que aliena e que desterra;
da intenção, buscando os ventos ascendentes;
do sentido duvidoso que ela encerra...


Batira

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com