A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

COBRAS

Duas cobras enroscadas
no mesmo alo
o hálito de um amor doentio
Nas pegadas que se secaram
o suor de um ânus profano
Duas cobras e deleite
que, de uma sugava a boca
a outra sugava o beijo
e nos passos sobre a alcova
o silvo era desfecho 
da última lascívia
o gozo e o desespero


Agonis

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com