A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

SERPENTE

Do pântano horrendo e caudaloso
A borbulhar lama fervente
Caminha lenta no limo fétido
A misteriosa nua serpente.

E serpenteia no virgem rio
Tão vagarosa a filha da lua
Pálida deusa mãe do absurdo
A fazer ferida em minh'alma nua.

E na noite fria de cerração
Ela embebeda-me com o mel impuro
Doce veneno caloroso fero
A obrigar-me a mergulhar no escuro.

E na agonia minha dor soberba
A suplicar com meus ais infindos
A vil megera de olhar faminto
Fita-me firma e me diz: bem vindo.

(02/04/2006)


Agmael Lima

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com