A Garganta da Serpente
Adoradores de Serpentes poemas sobre ofídios
  • aumentar a fonte
  • diminuir a fonte
  • versão para impressão
  • recomende esta página

MORTE NO JARDIM

Ondulando anéis rubros e negros, a cobra
era bela
e vinha deslizando no jardim
quando a vi
        - num misto de temor e êxtase.

Vencem em mim, no entanto, o selvagem
que saiu à caça da presa
que se enroscava
mimetizando-se
com as flores no gramado.

Atiro-lhe na luta a lança
corto-lhe o corpo em uma
duas
   três
       partes
e nauseado
com o veneno do remorso
afasto-me
deixando atrás a beleza destroçada.

A tarde enrolava rubros e negros anéis sobre as montanhas
e o Sol morria perplexo sobre os crisântemos e dálias.

- A poesia
não resgata
      - o que matamos no jardim.


Affonso Romano de Sant'Anna

Copyright © 1999-2017 - A Garganta da Serpente
http://www.gargantadaserpente.com